(instituído pela Lei Municipal nº 144 de 22.7.1996)

Entre os rios Toropi
Há um lugar, que eu canto agora,
Para os homens de amanhã
Conhecerem sua história,
Que começou com José,
De Quevedo, de Macedo...
Aquele que chegou antes,
Trazendo Nossa Senhora;
Nossa Senhora dos Remédios
Que com ele aqui ficou...

Chamado de Igrejinha,
Um povoado se formou
Em homenagem à capela
Que Josefa edificou.

A natureza foi mãe,
Veja quanto nos legou:
Cursos d'águas cristalinas,
Lindas matas, fontes puras,
Coxilhas de campos verdejantes,
Tantas terras de culturas
Que, nas mãos do semeador,
Hão de trazer riqueza,
Fartura de pão sobre a mesa
De todo o trabalhador...

Fica no Planalto Médio
Este lugar abençoado
Pedaço de chão sagrado
Do meu Rio Grande do Sul.

Nesta querência, meu canto,
Onde sopra o Minuano,
Berço de tauras gaúchos
Do poeta Aureliano,
Muitas gerações passaram
Sonhando, desde menino,
Um dia ver seu povo
Ser livre para escolher,
Seus caminhos percorrer,
Em busca do seu destino.....

Fica no Planalto Médio
Este lugar abençoado
Pedaço de chão sagrado
Do meu Rio Grande do Sul.

Os teus filhos não esquecem,
Têm compromisso com Deus:
Defender a sua história,
Cultuar as suas lendas,
Propagar os feitos seus.
Hoje o sonho é realidade;
Quevedos, minha cidade,
Estarei sempre a seu lado,
Pedaço de chão sagrado
Do meu Rio Grande do Sul.

Fica no Planalto Médio
Este lugar abençoado
Pedaço de chão sagrado
Do meu Rio Grande do Sul.

Quevedos, minha cidade
Canto amado do Brasil!

Letra: Nilton Carlos da Silva Rosa
Música: Syomara Herter Terra